Psicofobia é crime

No aeroporto JFK, em Nova York, no começo de 2012, os viajantes encontravam uma enorme propaganda com a mensagem: “Relaxa, vai passar, isso é temporário… Se você não diz isso sobre câncer, também não diga sobre depressão”. A ironia desconcertante da publicidade reflete muito da imagem que alguns transtornos mentais ainda recebem por parte da sociedade: para alguns, um destempero; para outros, uma fraqueza.

Mas a depressão é um transtorno mental dos mais graves e incapacitantes. Dentre as dez principais causas de afastamento do trabalho em todo o mundo, cinco são decorrências de transtornos mentais. A depressão aparece em primeiro lugar. Para 46 milhões de brasileiros, segundo dados do Ministério da Saúde, a depressão é uma realidade: 20% a 25% da população já tiveram ou têm depressão ao longo da vida.

A incapacitação profissional, a falta de interesse e de motivação para participar de atividades sociais rotineiras e de ter prazer nas coisas de que gostam e com as pessoas que amam transformam dramaticamente o cotidiano dessas pessoas e trazem consequências devastadoras que dificultam a reinserção social dos que tentam se recuperar de um episódio de depressão.

Paradoxalmente, ao mesmo tempo em que a depressão e os demais transtornos mentais atingem a muitos brasileiros, o preconceito em torno deles é crescente na sociedade. Já é hora de combater essa discriminação, como atualmente já se faz com os homossexuais, os negros e as mulheres. A expressão psicofobia expressa justamente o nefasto preconceito contra os doentes mentais e os portadores de deficiência. Se não se deve debochar ou subestimar de doenças como o câncer, também não há razão para as doenças mentais não serem encaradas com a seriedade que elas pedem e seus portadores exigem.

Há várias formas de preconceito, entre elas a própria negação da doença como algo menor ou passageiro.

Em pleno 2012, idéias preconceituosas devem ser combatidas com ainda mais veemência. É chegada a hora de a sociedade olhar com maturidade e respeito para os portadores de transtornos mentais. Psicofobia é crime.

Antônio Geraldo da Silva | Presidente da Associação Brasileira de Psiquiatria

Fale Mais Sobre Isso | Falar ajuda. Ler também.

Janeiro Branco

O Projeto Janeiro Branco faz do mês de Janeiro um marco temporal estratégico para que todas as pessoas reflitam, debatam e planejem ações em prol da Saúde Mental e da Felicidade em suas vidas. Participe e ajude a divulgar nossa ideia!

1 Comment
  1. Tenho depressão desde 2005,faço tratamento direitinho,mas sinto que as pessoas ignoram minha doença, as vezes desesperadamente tento iniciar uma conversa sobre o assunto, mas as pessoas e principalmente as que amo querem ficar no silêncio. Porque?

Seu comentário é importante!

Your email address will not be published.

Você pode usar atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Saúde Mental e Bem-EstarSaúde Mental e Bem-Estar
Janeiro Branco
Campanha Janeiro Branco, uma Campanha totalmente dedicada a colocar os temas da Saúde Mental em máxima evidência no mundo em nome da prevenção e do combate ao adoecimento emocional da humanidade.
Receba atualizações

Coloque seu melhor e-mail:

Curta o Janeiro Branco no Facebook!