Janeiro, o mês terapêutico

O primeiro mês do ano – mês carregado de simbolismos, circunstâncias e características culturais peculiares – pode ajudar muitas pessoas a olharem para suas próprias condições psíquicas e existenciais, suas disposições para a vida e para novos projetos. Pode, também, revelar as impotências e as dificuldades dessas mesmas pessoas em relação às condições em que vivem, pensam e sentem, funcionando, portanto, como uma espécie de lupa que amplia e revela as realidades objetivas e subjetivas em que estão vivendo (e aceitando viver).

Se o mês de Janeiro fosse um objeto, ele seria uns óculos ou uma lupa. Seria uma espécie de lente capaz de nos ajudar a enxergar a nossa realidade de forma mais clara. Veja bem: a nossa realidade. A realidade mais próxima de nós, dentro de uma infinidade de outras realidades, mas que, mesmo tão próxima e íntima, muitas vezes não a percebemos.

Janeiro, de alguma forma, nos ajuda a enxergar a realidade mais íntima que nos constitui: a realidade dos nossos pensamentos, sentimentos, desejos, afetos, emoções e comportamentos. Ajuda a enxergarmos a realidade do nosso psiquismo, das nossas maneiras de ser, agir, sentir e pensar – a realidade do que verdadeiramente somos, podemos e sabemos. Em uma só expressão, a realidade do nosso “eu”.

À realidade do “eu”, Janeiro corresponde com uma possibilidade ímpar: a possibilidade de fazermos uma profunda autoanálise das nossas vidas, dos caminhos que já percorremos e dos rumos que queremos tomar. Não há, no ano, oportunidade de tantas reflexões espontâneas sobre o nosso passado e nosso futuro como as proporcionadas pelas características culturais de Janeiro. Vejamos o porquê.

O mês de Janeiro é uma espécie de óculos ou lupa que pode nos ajudar a olhar para dentro de nós mesmos
O mês de Janeiro é uma espécie de lupa que pode nos ajudar a olhar para dentro de nós mesmos

Fim de ano, explosão de sentimentos
Em Dezembro – último mês do ano –, os usos e costumes da nossa sociedade nos convidam a participar de festividades e eventos com alto teor afetivo: congraçamentos e confraternizações nos ambientes profissionais-acadêmicos em que estamos inseridos e, mais intensamente ainda em função do Natal, as perspectivas e os planejamentos de mais congraçamentos e confraternizações junto aos nossos familiares e pessoas queridas.

Todos esses movimentos produzidos pela nossa cultura acabam por mobilizar incontáveis quantidades e qualidades de sentimentos-pensamentos em nossas cabeças e em nossos corações. Às vezes, mais do que apenas incontáveis sentimentos – talvez, também, impublicáveis.

Um ano sempre passa com várias circunstâncias razoáveis de mobilização afetiva ao longo dos seus dias, mas sempre se encerra com uma avalanche de possibilidades emocionais ligadas à raiz de nossas condições psíquicas: as questões familiares e sentimentais que nos acompanham, as conversas sobre como foi o ano em meio a grupos de estranhos e conhecidos, os balanços mentais que elaboramos a respeito das nossas realizações no ano que passou e os questionamentos que todos nos fazem em relação aos projetos para o ano novo.

Fim de ano, portanto, é um tempo que nos convoca às reflexões. A sabedoria intrínseca à humanidade escolheu esse momento para, com toda a força do seu simbolismo, informar a todos os homens sobre a face da Terra algumas condições fundamentais à sua Saúde Mental: de tempos em tempos, faz-se necessário que paremos tudo o que estamos fazendo para reorganizarmos as nossas forças, que olhemos para as nossas raízes existenciais, que fechemos alguns ciclos e iniciemos outros.

Em qualquer lugar do mundo, a “virada de ano” sempre mexeu com os sentimentos humanos. Tanto por conta da quantidade de mobilização afetiva que Dezembro possibilita, quanto pela quantidade de percepções que Janeiro suscita. Falemos mais sobre elas.

O simbolismo da virada de ano nos convida a muitas reflexões originais e espontâneas

Nossas percepções em Janeiro
Terminado o mês de Dezembro e a sua capacidade terapêutica de nos colocar frente a frente com os balanços gerais das nossas vidas (assim como com toneladas de sentimentos e pensamentos que esses balanços provocam), Janeiro, normalmente, começa conjugando duas grandes questões: por um lado, uma espécie de ressaca existencial (produto das profundas reflexões e imersões a que Dezembro nos convida-obriga) e, por outro lado, um misto de autocobrança, ansiedade e questionamentos em relação ao que faremos de nossas vidas.

Ao mesmo tempo em que estamos digerindo toda a mobilização afetiva experimentada em Dezembro, passamos, também, a nos ver às voltas com as questões relacionadas ao ano que se inicia. Por isso, Janeiro também tem cara de domingo à tarde: clima de repercussão de tudo o que vivemos nos últimos dias e apreensão – especialmente à noite – em relação a tudo o que virá pela frente.

Tal situação – o mergulho reflexivo e apreensivo que o mês de Janeiro nos possibilita –, por si só é capaz de favorecer a revelação de questões e características relacionadas às condições em que se encontra o nosso psiquismo. E, por isso, Janeiro pode ser comparado a uma lente capaz de nos ajudar a olhar para nós mesmos.

Vejamos um exemplo, considerando que a maior parte das pessoas entra em “férias” durante Janeiro: o que fazer nas férias, trabalhar nas férias, tédio nas férias, raiva do tédio nas férias, medo do tédio, com quem passar as férias, dificuldade em ficar com a família durante as férias, cansaço nas férias, ansiedade pelo fim das férias, desejo de que as férias não acabem nunca ou, ainda, desejo incontrolável de que as férias acabem logo, podem dizer muito sobre aspectos importantes da vida, dos pensamentos e dos sentimentos de uma pessoa.

Outro exemplo? Vejamos, então. Do latim januarius (também chamado principium deorum), Janeiro tem esse nome em referência ao deus Jano, considerado pelos romanos o “deus dos princípios”, o que “abria o ano”, o “porteiro do céu” (janua: porta), para o qual era oferecido o primeiro sacrifício do ano.

Além disso, a representação artística de Jano sempre o mostra com duas faces – uma virada para trás, outra virada para frente. Janeiro, desde o primeiro dos primeiros janeiros, carrega, em si, a simbologia daquilo que precisa (ou pede) para ser iniciado – mesmo que reiniciado.

Jano, um dos deuses romanos, olhava para o passado e para o futuro de forma simultânea – a mesma oportunidade que a virada de ano e o mês de Janeiro nos possibilitam

Janeiro propõe começos (e recomeços), propõe planos, perspectivas e preparações. Objetivos. E, para tanto, propõe análises (do passado, do presente e do futuro), propõe estudos, estratégias e recursos. Frente a tantas questões, dificilmente um psiquismo não se sente tentado a olhar para si mesmo e a verificar as suas possibilidades, os seus desejos, os seus limites e os seus potenciais.

Janeiro, assim, cheio de circunstâncias, ideias e simbologias, pode ser uma lupa por meio da qual ampliamos, para as nossas próprias considerações, as condições psíquicas e existenciais em que nos encontramos.

Exemplos disso não faltam:

  • as férias começaram e não temos disposição psíquica ou condições materiais para aproveitá-las? O que fizemos das nossas vidas até aqui? O tédio e o marasmo dominaram as nossas férias? O que aconteceu conosco?
  • O ano se inicia e o medo de que tudo se repita nos paralisa? O que houve com a nossa capacidade de transformar a realidade?
  • A falta do trabalho está nos deixando deslocados perante os dias e as pessoas? O que aconteceu com as nossas vidas?
  • Viagens, novidades, pessoas e lugares diferentes não nos interessam mais? O que houve com a nossa disposição para a vida?
  • Janeiro tem significado solidão, nada para fazer e ninguém com quem nos relacionarmos? O que fizemos das nossas relações sociais?
  • Não tiramos férias, não descansamos e nem revigoramos, social e profissionalmente, nossos ânimos para o ano que se inicia? O que houve com a nossa capacidade de, minimamente, planejar a nossa própria vida?
  • Um novo ano se abre à nossa frente, dezenas de novas possibilidades estão à espera das nossas iniciativas, mas, estranhamente, não conseguimos nos mobilizar para planejá-las e efetivá-las? O que houve com nossas motivações para a realização de projetos?

Desse modo, Janeiro e as suas prováveis questões acabam por nos colocar em contato com as nossas próprias dúvidas, angústias ou dificuldades psíquicas e existenciais. Aniversários também podem fazer isso? Sim. Datas comemorativas, como o Dia das Mães ou o Dia das Crianças também podem nos levar a mergulhos introspectivos e a reflexões sobre as nossas próprias vidas? Sim. Feriados prolongados também? Também. E uma tarde qualquer em que nos pegamos mais sensíveis ou dispostos a avaliar os anos, também pode nos suscitar autoanálises repentinas? Sim, pode. Então, o que é que Janeiro tem de especial?

A resposta não é tão complicada assim: Janeiro tem tempo de sobra para nos empurrar à reflexão (31 dias…), tempo recheado de simbolismos e circunstâncias com alto poder de nos convidar à vida (início de ano, todo resto do ano à frente, volta das férias…) e, principalmente, o fato de sabermos que não cabem mais as justificativas que usávamos para postergar novos projetos (como, por exemplo, “está todo mundo muito cansado”, “temos que esperar passar as festas de fim de ano”, “vamos esperar o ano começar e as coisas voltarem ao normal”).

Além disso – e como já foi dito -, Janeiro vem depois de uma enxurrada de congraçamentos e confraternizações afetivo-familiares de Dezembro – fenômeno que, por si só, provoca uma intensa e inescapável mobilização de sentimentos-pensamentos que podem deixar muitas pessoas em uma intensa “ressaca” existencial no início do ano (ainda mais em uma sociedade que caminha para a coisificação e a artificialização de todas as suas relações sociais).

Sim: Janeiro é uma lupa voltada para nós mesmos e nos oferece uma chance de escaparmos das automatizações comportamentais e intelectuais mecânicas às quais nos submetemos ao longo do ano. Mas… será que aproveitamos bem essa oportunidade?

Olhar para si mesmo, conversar consigo mesmo: hábito fundamental para a Saúde Mental de qualquer indivíduo

Aproveitando a lupa
Alguns de nós, sim. Muitos de nós, não. Algumas pessoas conseguem aproveitar as oportunidades que a vida lhes dá e, frente às circunstâncias que trazem informações sobre si mesmas, agarram-se a essas informações e procuram utilizá-las a seu favor. Janeiro, então, pode ser um mês terapêutico a essas pessoas. Suas circunstâncias e simbolismos levam-nos a olhar para dentro de nós mesmos e a vermos, de forma ampliada, como estamos organizados ou desorganizados, prontos ou incompletos para vários processos.

Às pessoas que não conseguem aproveitar a oportunidade que o mês de Janeiro lhes proporcionam, a sabedoria intrínseca à humanidade possibilitou que, sempre e de tempos em tempos, novos janeiros e novas oportunidades surgissem. As oportunidades são cíclicas, assim como também são cíclicas os momentos de certezas ou angústias pelos quais passamos.

Nada obrigava a humanidade a criar a simbologia de que, a cada 365 dias, voltaríamos ao início de algo. Nada, absolutamente nada ocorre, novamente, da mesma forma como ocorreu um dia. O próprio Planeta Terra pode dar milhões de voltas em torno de si mesmo e cada volta ter uma história, uma condição e uma posição diferentes em um Universo em contínua expansão. Nenhum verão é igual ao outro, assim como, em todo aniversário, ninguém é igual – orgânica e psiquicamente – à pessoa que era no aniversário anterior.

Mas se temos novos janeiros – janeiros que sempre nos convidam a novas vidas -, devemos agradecer ao inconsciente coletivo de uma humanidade que reconhece a importância da pausa, da introspecção e da autoanálise em nossas vidas de vez em quando. Carros precisam de revisão, aparelhos eletrônicos portáteis precisam ser recarregados, fatos e histórias precisam ser reinterpretados, o céu, periodicamente, precisa descarregar sua eletricidade e as terras precisam de contínuas aragens de tempos em tempos.

"O que quero, o que posso e o que farei?", ótimas reflexões para fazermos em janeiros
“O que quero, o que posso e o que farei?”, ótimas reflexões para fazermos em janeiros

O Ser Humano, muito mais complexo e muito mais sensível, criou para si uma série de oportunidades para, também, descarregar suas tensões, arar suas ideias e seus sentimentos, recarregar suas energias e reinterpretar suas histórias de vida. Essas várias oportunidades estão espalhadas ao longo do ano e são os aniversários, os finas de semana, as datas comemorativas, os rituais de passagem e os grandes costumes, como casamentos e velórios.

Porém, as circunstâncias simbólicas de Janeiro talvez sejam de uma natureza mais extensa e inescapável – já que, de um mês, ninguém escapa. Assim como ninguém escapa de suas próprias condições existenciais e psíquicas – condições que o primeiro mês do ano, como uma lupa, tem o dom de evidenciar com a sua original capacidade de nos colocar frente a frente com a nossa própria consciência, apontar-nos o dedo e nos perguntar:

o que a vida pode esperar de você no ano que se inicia?

Janeiro Branco

O Projeto Janeiro Branco faz do mês de Janeiro um marco temporal estratégico para que todas as pessoas reflitam, debatam e planejem ações em prol da Saúde Mental e da Felicidade em suas vidas. Participe e ajude a divulgar nossa ideia!

3 Comments

Seu comentário é importante!

Your email address will not be published.

Você pode usar atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Saúde Mental e Bem-EstarSaúde Mental e Bem-Estar
Janeiro Branco
Campanha Janeiro Branco, uma Campanha totalmente dedicada a colocar os temas da Saúde Mental em máxima evidência no mundo em nome da prevenção e do combate ao adoecimento emocional da humanidade.
Receba atualizações

Coloque seu melhor e-mail:

Curta o Janeiro Branco no Facebook!