14 retratos que mostram como a ansiedade realmente é

Quando você lê uma matéria sobre ansiedade, na maioria das vezes ela é ilustrada com uma foto como esta:

Gawrav Sinha / Getty Images

Um retrato acinzentado de alguém com as mãos na cabeça, roendo as unhas ou com o nervosismo estampado no rosto. No entanto, a verdade é que muitas pessoas com transtorno de ansiedade parecem perfeitamente normais, ao menos superficialmente, enquanto lutam contra os seus sintomas.

Por isso, o site BuzzFeed Community pediu aos seus membros que compartilhassem uma foto de quando eles estavam lutando contra a ansiedade. Veja as imagens e as suas histórias:

“Eu meio que estou pairando, me vendo à distância”

Maggy van Eijk

“Quando minha ansiedade fica muito, muito ruim, isso geralmente leva a uma dissociação, em que minha mente e meu corpo aparentemente se separam. Eu estou lá, mas não estou presente. Eu meio que estou pairando, me observando à distância, e isso foi algo que aconteceu na minha formatura. Eu estava muito nervosa com tudo e (como de costume) sentia que, de alguma maneira, não merecia aquilo.”
(Maggy van Eijk, para BuzzFeed)


“É cansativo ter de lidar com meu próprio cérebro, sempre tentando me convencer que algo está errado”

2

“Essa foto foi tirada durante as férias que passei com minha família na Europa. Eu parecia feliz e normal, mas, na verdade, quase todas as noites chorava no chuveiro. É cansativo ter de lidar com meu próprio cérebro, sempre tentando me convencer que algo está errado, e não conseguir afastar esses pensamentos.

As pessoas dizem que sou calada e fechada. Não. Eu quero desesperadamente fazer amigos, mas multidões me assustam. Estranhos são assustadores. E, quando rola um ataque de pânico, parece que o mundo todo está em movimento e eu fico imóvel, esperando que isso passe, em um banheiro ou em uma esquina. É muito ruim não poder controlar seus pensamentos e seu corpo quando todos esperam que eles lhe obedeçam.”
(Poonc, Para Buzz Feed)


“Parece que todos os músculos do meu corpo estão se contraindo, virando uma pequena bola no meu peito”3

“Essa foto foi tirada em um dia em que me dei o direito de ‘me mimar’ e, na mesma ocasião, tive um ataque de ansiedade no banheiro do restaurante. Distúrbios de ansiedade parecem com aquela garota que senta perto de você no restaurante. Distúrbios de ansiedade parecem comigo. A ansiedade parece com muitas coisas – ficar estressada por causa de uma prova etc. –, mas um distúrbio de ansiedade é muito diferente da sensação passageira de ansiedade. Eu tenho TAG (Transtorno de Ansiedade Generalizada), transtorno de pânico e depressão intermitente, que se manifesta por meio do meu transtorno de pânico. Quando tenho um ataque de pânico parece que todos os músculos do meu corpo estão se contraindo, virando uma pequena bola no meu peito. Eu não consigo respirar, choro, tremo, o mesmo pensamento passa repetidas vezes pela minha cabeça. Realmente parece que estou morrendo. Há dias em que não consigo me levantar e tenho de ligar para pedir ajuda de amigos ou parentes. Não posso ter um trabalho normal, tive de me mudar para voltar a viver com meus pais e as pessoas não acham que a minha doença seja real. Assim como o meu plano de saúde.”
(Jessica, para BuzzFeed)


“Não há um dia em que eu não sinta alguns dos efeitos da ansiedade”4

“O que você não consegue ver nessa foto é que, no dia anterior, eu tive meu primeiro grande ataque de pânico em quase um ano. Ela foi tirada um dia depois de um grande evento social e, se tem uma coisa que realmente aflora minha ansiedade, é a sensação de estar perdido em uma multidão de mais de cem pessoas. Eu comecei a ter problemas de ansiedade aos 14 anos. A princípio, era só um sentimento latente de pavor e apreensão quando eu estava em uma situação desconfortável, mas isso foi crescendo gradualmente até o ponto em que os ataques de pânico passaram a me impedir de ficar em um ambiente com mais de uma dúzia de pessoas. Já se passou mais de uma década e não há um dia no qual eu não sinta alguns dos efeitos da ansiedade – ela sempre está lá, oculta, podendo aflorar –, mas todos os dias eu ganho mais experiência para superar isso.”
(Jamie Jones, para BuzzFeed)


“Ela está sempre à espreita, mesmo quando você está de bem com a vida”5

“Eu estava deprimida quando tirei essa foto. Eu tinha receio pela minha saúde e minha carreira, por achar que largar a faculdade tinha sido um erro sem volta. Ansiedade não é apenas ser uma pilha de nervos. Como a depressão, ela está sempre à espreita, mesmo quando você está de bem com a vida.”
(Rebeka, para BuzzFeed)


“Eu vivo com a ansiedade diariamente.”6

“Essa foto foi tirada em 2013 e é uma das três fotos que outras pessoas tiraram de mim nos últimos três anos que não me envergonha. Eu gostaria de poder recriá-la, mas tentar descobrir como eu consegui parecer tão relaxada e descontraída só me estressa ainda mais. Eu vivo com a ansiedade diariamente e, na época dessa foto, isso foi exacerbado pelo prazo para a entrega da minha dissertação de mestrado, o medo do meu novo relacionamento não ser sólido o bastante para sobreviver ao fim do meu visto (ou até mesmo às férias, nossa primeira viagem juntos, apenas nós dois) e À falta de segurança no trabalho depois de tudo isso. Passados três anos, esses problemas foram resolvidos, mas o desconforto constante que sinto quando estou rodeada por outras pessoas, ou até mesmo sozinha, ainda não foi solucionado.”
(Chelsey Pippin, para BuzzFeed)


“Como a maioria das pessoas não presenciou meus piores ataques de ansiedades, elas não parecem entender que esse é um problema real”7

“Eu estou em uma parada do orgulho gay na foto e, apesar de ter me divertido bastante, passei o dia todo ansiosa por causa da multidão. Ninguém parece entender que, quando cancelo compromissos no último minuto ou passo dias sem aparecer na universidade, não é porque sou preguiçosa ou não estou afim, é porque não consigo nem sair do quarto, que dirá de casa. Apenas três pessoas já me viram tendo um grande ataque de pânico, então elas não parecem entender que esse é um problema real.”
(r4ec80f478, para BuzzFeed)


“A ansiedade me impede de fazer o que quero porque faz com que eu me sinta um fardo para todos”8

“Todo dia é uma batalha. A pressão e a culpa que coloco sobre meus ombros é insuportável. A ansiedade me impede de fazer o que quero porque faz com que eu me sinta um fardo para todos. A minha foto é de quando fui à Finlândia com amigos. Eu pareço feliz, mas estava morrendo por dentro, achando que eu era um desperdício de espaço.” (Isabelle, para BuzzFeed)


“Por trás do sorriso, da maquiagem e da aparente felicidade, ainda estou sofrendo”9

“Fui diagnosticada com ansiedade severa no meu primeiro ano de faculdade. Eu estava me desdobrando por causa de provas, comida e, especialmente, minhas amizades. Tinha entrado em uma fraternidade e constantemente me questionava se alguém realmente me queria lá – e continuo a lutar contra esses pensamentos depois de dois anos.

Por trás do sorriso, da maquiagem e da aparente felicidade, ainda estou sofrendo. Apesar de a fraternidade me proporcionar tudo isso e muito mais, os pensamentos resultantes da ansiedade ainda me colocam para baixo. Essa é a minha realidade no momento.”
(Sashaw, para BuzzFeed)


“Sempre tive ansiedade, mas ela piorou na faculdade”10

“A foto acima foi enviada para uma amiga para convencê-la de que estava tendo um dia bom, mesmo lutando contra a ansiedade desde que acordei naquela manhã. Sempre tive ansiedade, mas ela piorou na faculdade.

Eu não conseguia passar por um grupo de pessoas sem começar a tremer e suar, sair da sala de aula para ir ao banheiro me causava ansiedade e me atrasar para jogos ou aulas me apavorava porque não conseguia lidar com tantas pessoas olhando para mim. Tinha de escutar música para atravessar o campus porque o silêncio de caminhar sozinha me deixava tão nervosa que eu chegava na sala de aula suando e tremendo, e eu odiava o refeitório porque tantas pessoas em um ambiente tão pequeno intensificavam minha ansiedade.

Felizmente minha faculdade tinha um serviço de aconselhamento, e me consultar com um psiquiatra semanalmente me ajudou de verdade. Minha ansiedade não está tão ruim agora, mas ainda evito multidões e estar no centro das atenções.”
(Courtney, para BuzzFeed)


“Foi piorando gradualmente e agora eu tenho de tomar remédios”11

“Essa foto foi tirada antes de eu ir a uma festa, há algumas semanas, quando eu estava passando por um ataque de ansiedade que durou quase o dia inteiro. Eu tinha decidido ir à festa para ver se isso ajudaria a me distrair um pouco. Venho enfrentando a ansiedade desde a quarta série, mas, quando entrei na faculdade, ela foi piorando gradualmente e agora eu tenho de tomar remédios. Só porque alguém aparenta estar normal não significa que não está sofrendo com algum transtorno mental.”
(Awinston, para BuzzFeed)


“Você se sente como um embuste ou uma fraude”12

“Não importa para onde você vá ou com quem esteja, você se sente como um embuste ou uma fraude. Você não se sente confortável, não se sente resolvido, não se sente autêntico, não se sente… direito. Quando o mundo se divide em dois, você sempre é o resto. Mesmo em um grupo de amigos, você sempre é a pessoa que fica fora das conversas.”
(Ronan, para BuzzFeed)


“Vira um círculo vicioso”13

“Já faz dois anos que tenho depressão e ansiedade: a parte mais frustrante, para mim, é tentar fingir que tudo está bem porque isso me deixa ansiosa e vira um círculo vicioso.Neste verão trabalhei como voluntária na unidade experimental da minha universidade, que conta com uma seção agrícola e animal. Isso fez com que eu percebesse que estar cercada pela natureza e por animais me deixava feliz e me acalmava. Desde então, não passei um dia sem tentar me conectar com ambos.”
(D, para BuzzFeed)


“Muitas pessoas se afastaram e falaram que eu deveria superar isso”14

“Eu tenho ansiedade social e transtorno do pânico desde meus 12 anos. Nos primeiros anos, eu ainda estava tentando controlar isso, o que me tornou agorafóbica: eu não saía de casa nem para ir à escola. Acho que, para quem via de fora, uma garota de 12-13 anos se recusando a sair do quarto era algo bem normal e, quando me abri sobre o que estava acontecendo, muitas pessoas se afastaram e falaram que eu deveria superar isso. No dia em que a foto foi tirada, eu estava andando quando alguém do jornal local me parou para tirar uma foto da minha roupa e fazer perguntas sobre o meu estilo. Nessa foto eu estava com 18 anos e ainda tinha dificuldades para sair de casa e fazer as coisas. Lembro da sensação horrível, do meu coração batendo rapidamente. Na foto estou sorrindo, mas em minha cabeça estou gritando ‘MEU DEUS, POR QUE EU?!’. Agora estou com 22 anos e tenho um blog sobre minhas experiências com problemas decorrentes da saúde mental. Ainda me pego evitando situações sociais e lutando contra ataques de pânico, mas as pessoas na minha vida agora são muito mais compreensivas e solidárias com isso. Acho que o que as pessoas não entendem sobre a ansiedade é que nem sempre isso é algo cuja expressão é visível. Muito disso ocorre internamente, sem que ninguém saiba.”
(Victoria, para BuzzFeed)

Fonte: www.buzzfeed.com

Janeiro Branco

O Projeto Janeiro Branco faz do mês de Janeiro um marco temporal estratégico para que todas as pessoas reflitam, debatam e planejem ações em prol da Saúde Mental e da Felicidade em suas vidas. Participe e ajude a divulgar nossa ideia!

8 Comments
  1. Caramba. Acessei hoje pela primeira vez e achei fantástica a ideia do Janeiro Branco. Vou ajudar a nessa luta. Isaac Oliveira
    Recife

  2. Muito bom essa proposta de compartilhar experiências, para que outras pessoas na mesma situação possam falar também de suas ansiedades. Desejo tudo de melhor pra cada um que se propos a dividir algo tão íntimo.

  3. essa matéria muito me ajudou. estou passando por um tratamento de transtorno de ansiedade e depressão há mais de quatro anos. olhar essas fotos me fez perceber que pessoas “aparentemente normais”, pessoas que cruzamos as vezes pelas ruas, podem estar passando pelo mesmo problema, e isso nos faz sentir mais “normais”. sinto-me cobrada principalmente pela minha profissão, sou psicóloga, e isso tem se tornado um fardo nos últimos tempos. sinto-me cobrada do tipo “como vc psicóloga esta passando por isso?” é algo incontrolável, vai além dos seus limites, conhecimentos, técnicas de auto ajuda, enfim…é um tsunami que quando te acomete não se tem forças contra ele.

  4. Sou ansioso desde que me entendo por gente. No começo, achava bastante normal e sofria por antecipação, pois meu jeitão estabanado, o nervosismo e a inquietação não me deixavam perceber o mal da ansiedade. Foi quando não consegui realizar atividades simples do cotidiano que me dei conta de que estava acumulando muita coisa, precisei de intervenção psicológica, tomei alguns medicamentos não muito agressivos, como o “passiflorine” (ao ponto de tomar dez comprimidos de uma vez, e cortou o efeito), um fitoterápico a base de maracujá, e alguns manipulados. Hoje, trato com atividade física a minha ansiedade. Além disso, vez por outra, paro tudo o que estou fazendo e faço uma respiração mais consciente, meditando e percebendo as coisas ao meu redor que mais estão drenando minhas energias. Então, revejo as prioridades e faço cada coisa no seu tempo, sem me desgastar com pensamentos ansiosos.

  5. Ainda há um preconceito a cerca da anciedade, que na verdade todos sentem , o problema é gerado quando não controlamos isso é o preconceito é gerado quando não buscamos ajuda de um proficional da área para nos ajudar a controlar é isso é uma pena temos que vencer esse preconceito e buscar ajuda o quanto antes .

  6. Sei bem o que é isso, poucos me entendem. Mas os compreendo porque nem eu me entendo. Só queria entender o porque eu tenho isso.

  7. Realmente as aparências enganam !
    As pessoas precisam se cuidar, se tratar emocionalmente e até espiritualmente!
    Tentar ser o que esperam de nós é muito estressante !
    Com o tempo e com tratamento vamos aprendendo que precisamos relaxar e ser nós mesmos!
    Nos amar acima de tudo !
    Respirar muito pausadamente !

  8. Acho que um bom recurso para melhorar estes sintomas seria a pessoa se amar mais. Eu tenho um pouco de ansiedade, mas procuro controlar isso me aproximando de DEUS e direcionando amor pra mim mesmo. É exercitar o amar incondicional para todas as pessoas. lutando pra não se importar se vc vai conseguir ou não ser bem recebido numa reunião ou uma prova que vai fazer.
    Parabéns pelo trabalho que estão realizando!!!

Seu comentário é importante!

Your email address will not be published.

Você pode usar atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Saúde Mental e Bem-EstarSaúde Mental e Bem-Estar
Janeiro Branco
Campanha Janeiro Branco, uma Campanha totalmente dedicada a colocar os temas da Saúde Mental em máxima evidência no mundo em nome da prevenção e do combate ao adoecimento emocional da humanidade.
Receba atualizações

Coloque seu melhor e-mail:

Curta o Janeiro Branco no Facebook!